Organização Finaceira

A taxa de desempregados no Brasil já atingiu a marca de milhões e isso tem mudado a visão de muitas pessoas sobre o emprego. Em vez de de buscarem um trabalho formal, de carteira assinada, muitos desempregados estão em busca de independência abrindo um negócio próprio. No entanto, se você também está buscando por isso, é preciso ter organização financeira.

Se você quer tornar-se uma empresária e lucrar de forma independente, é necessário que você esteja atenta a alguns fatores e maneiras de organizar as suas finanças para poder começar a investir no seu sonho. Por meio da organização financeira você conseguirá fazer o seu dinheiro render para aplicar não só na sua futura empresa, mas também na sua vida pessoal melhorando a sua qualidade de vida.

Pensando nisso, preparamos este guia, para que de uma vez por todas, você aprenda a como se organizar financeiramente para tirar o seu negócio do papel sem dores de cabeça e sem dívidas. Vamos lá?

Organização financeira: o calcanhar de Aquiles

Você conhece a história do calcanhar de Aquiles? Ele era filho do Rei Peleu e da Deusa Tétis. Segundo a lenda, ao nascer, sua mãe o mergulhou no Rio Estige segurando-o pelo calcanhar e, assim, foi a única parte de seu corpo que não entrou em contato com as águas — o que tornou o calcanhar o seu ponto fraco.

Da mesma maneira que Aquiles tinha o seu ponto fraco, o calcanhar da maior parte dos brasileiros é a organização financeira. Isso porque sempre que é citada essa organização ou planejamento, diversas controvérsias aparecem.

Algumas delas são: nunca sobra dinheiro, como vou guardar ou investir? Meu salário é muito pequeno! Eu não sei como fazer um planejamento financeiro. Essa última afirmação tem sido a mais falada pelas pessoas que mantêm uma relação conturbada com o dinheiro ou com a falta dele.

Entretanto, esse ponto fraco e falta de informação é o que compromete o seu fim do mês, já que muitas pessoas nem sequer sabem quanto recebem, o quanto gastam e o valor que precisam para viver bem e para investir em um negócio próprio.

Ao longo deste post você verá que ter organização financeira de acordo com a sua realidade pode ser mais fácil do que imagina!

A importância do planejamento financeiro

O planejamento e organização financeira são as práticas e estratégias que você adota de acordo com a sua situação e necessidade financeira a fim de cumprir objetivos, metas, buscando sempre manter as suas contas no azul no fim de cada mês.

Para isso, é preciso que você tenha completo conhecido dos valores da sua receita, gastos e despesas. Ou seja, entender para onde tem ido o seu dinheiro.

Por meio dessa avaliação você poderá controlar todo o seu orçamento, identificar os excessos e até mesmo ter uma reserva monetária.

Infelizmente, a cultura brasileira acaba por nos incentivar a fazer dívidas. Você sabia que o Brasil é o país que inventou o parcelamento no cartão de crédito? Pois é! Viver de acordo com sua real situação financeira e planejar suas contas pode parecer uma tarefa impossível.

Acompanhar, avaliar, ter controle real e organização com o seu dinheiro permite que você não apenas tenha uma reserva, como invista na sua qualidade de vida e tenha capital para abrir um negócio próprio — que é o sonho de muita gente! Além, é claro, de conquistar sua independência financeira e tomar decisões mais acertadas e de acordo com suas condições.

Existem algumas práticas que você pode colocar em ação agora mesmo e começar o seu planejamento.

A primeira etapa para o seu planejamento e organização financeira é saber quanto você ganha e quanto gasta — tanto semanalmente quanto mensalmente.

Passe a anotar e registrar toda e qualquer entrada e saída do seu dinheiro — principalmente o que você passa no cartão de crédito! Para facilitar esse registro, você pode separar os gastos em duas categorias: as despesas fixas e secundárias.

As despesas fixas são as contas de água, luz, internet, telefone, aluguel, despesas com supermercado e carro.

Já as despesas secundárias são as saídas para cinema, shopping, compras mais supérfluas como roupas, acessórios e itens de beleza.

Por que ter objetivos é essencial?

Para termos foco em qualquer coisa precisamos de objetivos, não é mesmo?

Considerando esse ponto, você trabalha para pagar as suas despesas. Você estuda para ter conhecimento e buscar melhores condições de vida. Você toma água para matar a sua sede e manter o funcionamento do seu corpo.

Então, da mesma maneira é com a organização financeira. Você precisa estipular objetivos que nada mais são que coisas que você deseja conquistar, seja em curto, médio e longo prazo.

Normalmente, esses objetivos são determinados de acordo com as suas necessidades como ter um negócio próprio para vencer o desemprego de uma vez por todas. No entanto, é muito comum que as pessoas se percam no meio do caminho se não seguem um bom e estruturado planejamento financeiro.

Além disso, é preciso que você tenha os seus objetivos muito bem determinados e embasados nas suas condições e necessidades orçamentárias, para que assim, seja possível economizar e alcançar esses objetivos.

Com organização financeira e planejamento, você conseguirá dar inicio ao tão sonhado negócio próprio e viver da revenda de lingeries. A revenda lhe beneficia tanto financeiramente quanto na sua vida pessoal. Você terá mais qualidade de vida trabalhando por conta própria já que não precisará bater ponto, pegar ônibus lotados, prestar contas a chefes autoritários e terá mais tempo de cuidar da família, mesmo trabalhando. A sua empresa de lingeries terá a sua cara, e o melhor de tudo, a possibilidade de gerar maiores ganhos do que em um trabalho formal.

As novelas e redes sociais estão cada vez mais ditando a moda, não é mesmo? Então, seguindo a tendência desses meios de comunicação é possível que você entenda do que seu público de lingeries gosta e precisa e, assim, focar nessas necessidades e ter sucesso na sua empresa de revenda. Nossos lançamentos atendem a diversos estilos e públicos, como o plus size, por exemplo. Dessa forma, você terá uma gama abrangente de compradores, o que lhe beneficia financeiramente.

Para facilitar ainda mais chegar onde deseja, você pode começar estipulando objetivos mais simples como quitar uma dívida, sair do vermelho ou conquistar algo menos ousado, ou seja, um passo de cada vez. Isso pode ser a chave do seu sucesso! Para isso, existem duas etapas: estipular as suas prioridades e metas. Confira a seguir como administrar e definir estes dois pontos:

Prioridades

Para poder diferenciar o que é meta e objetivo na sua vida, é preciso que você, primeiro, defina o que é prioridade, não é mesmo? Assim, você deve separar o que pode ser deixado para depois e o que você não precisa por agora. Dessa forma, as suas prioridades devem estar de acordo com a sua situação e planejamento financeiro.

Para essa tarefa, primeiro liste os seus objetivos e sonhos e depois defina a ordem em que deseja que eles aconteçam, assim, você identifica as suas prioridades. Depois, como dissemos, faça uma avaliação da sua atual situação financeira. Essa etapa pode ser facilmente feita por meio de planilhas em que você coloca todos os seus ganhos e despesas da forma que lhe ensinamos acima.

Com isso, você saber onde consegue economizar, onde podem ser cortados gastos e o mais importante, não se render ao consumismo e focar no seu sonho de ter uma vida melhor e independência financeira. Após isso, é preciso que você coloque em prática o seu planejamento e organização financeira, pois, como lhe dissemos, somente por meio deles é possível atingir esses sonhos e objetivos.

Metas de curto, médio e longo prazo

Pronto! Agora que definiu o que é prioridade e o que não é, você já pode estipular as suas metas. Mas, afinal, qual é a diferença entre objetivo e meta? Objetivo é aquilo que você deseja conquistar como casa própria ou abrir um negócio. Já a meta é referente ao tempo em que isso ocorrerá, ou seja, conforme o seu planejamento será possível alcançar seus objetivos em um ano, dois ou cinco anos?

Dessa forma, elas são de muita importância no seu planejamento e organização financeira para não perder o foco. As metas podem ser separadas em três períodos: curto, médio e longo prazo. As metas de curto prazo são aquelas que podem ser atingidas em um ano ou menos. São as mais fáceis de serem alcançadas e podem ser, por exemplo, fazer um fundo de emergências, uma festa para os filhos ou até mesmo reformar a sua casa.

As metas de médio prazo devem ser pensadas em um prazo de até cinco anos como trocar o carro ou fazer uma viagem. Já os planejamentos de longo prazo são para mais de cinco anos como pagar os estudos dos filhos, trocar de casa ou adquirir fundos para uma aposentadoria.

Mas e montar o meu negócio? Entra em qual dessas metas? Isso dependerá das suas condições financeiras, quanto pode economizar por mês para investir nesse objetivo e quanto a sua futura empresa precisa para começar a funcionar. Após definir essas questões você poderá encaixar o seu novo negócio em uma dessas metas.

Dívidas não podem existir

As dívidas serão o seu maior atraso e impedimento de realizar os sonhos e tirar os seus objetivos do papel, sendo assim, elas não podem existir de forma alguma. Se você não tem nenhuma, ótimo! Continue assim, mas se essas pendências estão lhe atormentando, é preciso livrar-se delas. Apesar de parecer uma tarefa difícil, é possível sair do vermelho mesmo não ganhando o que você deseja.

Entretanto, será necessária muita determinação e abrir mão de algumas coisas momentaneamente, mas tudo isso sem dores de cabeça e sem perder o sono. Pensando nisso, reunimos as melhores práticas para você se livrar das suas dívidas. Confira:

Conheça as suas dívidas

O primeiro passo para começar a eliminar as suas dívidas é sentar e analisar de onde elas saem. É do cartão de crédito? Lojas? Além de conhecer o ponto de partida das suas pendências financeiras, some o valor incluindo os juros e veja quanto e onde você precisa economizar para quitá-las.

Tente renegociar

Antes de começar a pagar a sua dívida, entre em contato com o credor e veja se consegue melhores condições ou prazos para pagar. Diferentemente do que muitos imaginam, as empresas que você deve não tem o intuito de dificultar que você pague a sua dívida, muito pelo contrário, é de total interesse que você quite as suas pendências.

Então, entre em contato, tente renegociar e conseguir melhores condições ou redução dos juros. Para isso, você precisa ter em mente a forma que poderá pagar, para que não aceite nenhum acordo que não poderá cumprir e se enrolar ainda mais.

Contenha os gastos

Como dissemos, você terá que abrir mão de algumas coisas para atingir os seus objetivos. Sendo assim, veja onde você pode cortar gastos como saídas para comer, shoppings aos finais de semana ou economizar na conta do supermercado eliminando itens supérfluos. Contas de água e luz também pode ser reduzidas com práticas do dia a dia.

Diminua o tempo no banho, feche a torneira aos escovar os dentes ou ensaboar a louça e desligue os aparelhos eletrônicos a noite. Algumas pequenas mudanças em hábitos corriqueiros fazem uma enorme diferença no fim de cada mês.

Troque as dívidas

Como assim trocar? Isso mesmo! Os juros do cartão de crédito e cheque especial costumam ser maiores que de alguns empréstimos como o consignado e o pessoal. Sendo assim, considere a solicitação de um crédito para quitar as suas dívidas.

Além de não ser atingida por juros e encargos matadores, você não precisará parcelar as suas pendências em inúmeras vezes, o que fará você eliminar as suas dividas mais rápido e não terá a incidência de mais juros devido as parcelas.

Guardar dinheiro

Quando a sua organização financeira já estiver em ação e tiver se livrado das dívidas você verá que é possível sim guardar dinheiro. Esse valor guardado, geralmente, é proveniente das economias que você fizer durante o mês.

Para isso, evite ao máximo usar o cartão de crédito que passa a falsa impressão de economia. Pague à vista quando existirem descontos e prefira lojas de departamento para comprar as suas roupas: dessa forma você estará pagando mais barato. Passe a usar os pontos do cartão de crédito que às vezes são acumulados e nunca usados.

Considere consertar ao invés de trocar, e isso vale para roupas, eletrodomésticos e até sapatos. Que tal chamar os amigos e cozinhar em caso ao invés de sair para bares? Que tal fazer uma sessão pipoca em casa no lugar de ir ao cinema toda semana?

Com algumas pequenas mudanças e substituições é possível economizar muito dinheiro e guardar para futuras emergências, dessa maneira, você verá como não ficará mais no desespero e nem no vermelho. Para isso você tem duas opções: investimentos e uma reserva.

Poupança ou investimentos?

Há alguns anos, era muito comum usar a poupança para guardar dinheiro ou até mesmo como uma aplicação financeira. No entanto, o que poucos sabem é que a sua poupança não é considerada como investimento. Apesar de ser uma forma mais fácil de poupar, ela apresenta rendimentos menores de que 1% ao ano.

Então, porque não deixar o seu dinheiro em um local que vá lhe proporcionar rendimentos suficientes para criar um capital e abrir o seu negócio ou investir em melhorias?

É fato que o brasileiro não tem a cultura de fazer investimento e aplicar o seu dinheiro. Isso se dá, principalmente pela falta de informação e pelo mau relacionamento com os seus ganhos. Para isso, separamos alguns investimentos para iniciantes e você verá que não é preciso muito dinheiro para se tornar um investidor. Confira:

(CDB)

O Certificado de Depósito Bancário é um empréstimo que você faz a um banco para que ele possa ter recursos para realizar diversas transações financeiras aos seus clientes. O que você ganha com isso? Rendimento! Em troca, você receberá uma espécie de remuneração que, normalmente, é proveniente dos juros cobrados aos clientes do banco. Portanto, é muito simples começar a investir no CDB, basta você entrar em contato com o seu banco e conferir os valores para aplicação inicial, que costuma variar em até R$ 200 reais.

LCI e LCA

As Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito do Agronegócio são investimentos de renda fixa, ou seja, você saberá antecipadamente quanto você receberá de rendimentos. Consistem em títulos lastreados por empréstimos imobiliários ou do agronegócio. Para isso, basta entrar em contato com um banco ou corretora que disponibilize esse serviço.

Fundos de renda fixa

Para diversificar os seus investimentos você pode contar com os fundos de renda fixa que tem ganhado cada vez mais espaço no mercado. Esses fundos reúnem diversos ativos que são disponibilizados por administradoras que estão buscando recursos.

Com isso, você pode optar por fundos de curto, médio e longo praza para rentabilidade, sendo que quanto mais tempo o seu dinheiro ficar investido maior será o seu ganho. Então planeje-se financeiramente e estude os seus objetivos para escolha um fundo que vá suprir com as suas necessidades e ajudar na conquista das suas metas.

Debêntures

Assim como nas opções anteriores, as debêntures também são empréstimos que você faz, mas não para bancos ou governo e sim para empresas. No entanto, o resgate dos seus rendimentos será em longo prazo.

Se tornar um investidor não é uma realidade distante, contudo, você precisa estar em dia com o seu planejamento e organização financeira para saber quanto pode investir. Além disso, pesquise e estude para encontrar os investimentos de acordo com as suas condições e necessidade e para não correr riscos e prejuízos.

Reserva de investimento

Além de começar a fazer aplicações e ver o seu dinheiro render, montar e contar com uma reserva pode lhe livrar de imprevistos ou dificuldades financeiras. Esse fundo ou reserva pode estar aplicado em algum investimento ou simplesmente guardado em uma poupança, já que o objetivo não são os rendimentos e sim segurança. Para isso, você deve poupar ao menos 10% da sua receita mensal e só contar com esse dinheiro em casos extremos.

Esses imprevistos podem ser uma emergência médica, uma reforma urgente na casa ou até mesmo o desemprego inesperado. Dessa forma, essa reserva pode lhe dar mais tranquilidade financeira e passar por essas situações sem comprometer o seu planejamento financeiro, seu orçamento e evita que você se afogue em dívidas.

Educação financeira: a chave para continuar

Educação financeira envolver ter qualidade de vida hoje e no seu futuro e, sem ela é impossível que você tenha organização financeira. As crises e imprevistos podem acontecer a qualquer momento, não é mesmo? No entanto, é possível passar por essas situações conturbadas com preparo, informação e educação financeira.

Se você é antenada nas redes sociais e na internet, está rodeada de informações sobre como cuidar do seu dinheiro e das suas finanças, em geral. No entanto, por mais que sejam dicas valiosas, você precisa distinguir o que encaixa na sua atual situação e o que não é para você.

A educação financeira vai além de somente economizar ou cortar gastos, ela deve ser vista como um estilo de vida que visa saúde e tranquilidade financeira para você, sua família e o seu futuro. Então, levando em consideração que essa educação deve ser parte da sua rotina, confira algumas atitudes para começar a adotar na sua rotina financeira:

Controle seus gastos

Em um primeiro momento pode parecer trabalho fazer um controle de tudo que você gasta. Entretanto, com a prática você verá que isso pode fazer parte do seu dia a dia e que trará ótimos resultados para o seu bolso. Para isso, tenha uma planilha ou procure por aplicativos que façam isso por você. Basta você registrar tudo que você compra e paga, não descarte nada.

Aceite as mudanças

Sair da nossa zona de conforto não é tarefa fácil, mas é necessário. Se as suas finanças não vão bem, é sinal de que algo precisa ser feito. Se seu sonho é abrir uma empresa, é preciso que você mude as suas finanças para ter recursos de investir nesse negócio.

Como dissemos, é necessário abrir mão de certas coisas que comprometem a sua organização financeira e passar a construir uma vida mais organizada, avaliando os benefícios que essas mudanças vão lhe proporcionar num futuro não muito longe. A educação financeira fará você ter o controle do seu dinheiro e lhe dará condições de continuar em busca dos seus objetivos e de qualidade de vida.

A organização financeira permitirá que você comece a se relacionar bem com o seu dinheiro. Por meio desse relacionamento equilibrado você poderá atingir os seus objetivos de forma tranquila e não precisará passar por apertos, dívidas ou perder o sono por estar no vermelho. É possível ter saúde financeira mesmo não recebendo o que gostaria.

Se esse artigo foi útil para você compartilhe nas suas redes e ajude os seus amigos a também cuidarem da vida financeira sem dores de cabeça!

Share This