Autoestima pode ser definida como a avaliação que fazemos sobre nós mesmas, podendo ser positiva ou negativa em níveis distintos. O problema é quando se atinge o grau de baixa autoestima, que é caracterizada quando uma pessoa não gosta de si, não enxerga as suas capacidades e têm comportamentos autodestrutivos.

Isso acontece devido à grande pressão e verdadeiro bombardeamento com “padrões” que devem ser seguidos a todo o tempo, como o corpo perfeito, o emprego dos sonhos, o sucesso aos vinte e poucos anos…

Pensando nisso, elaboramos este post com muito carinho com 5 dicas que você pode adotar no seu dia a dia para elevar seu amor-próprio, viver mais feliz e em paz consigo mesma! Vamos juntas?

1. Esqueça o Perfeccionismo

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Relatório Global de Autoconfiança Feminina Dove (Dove Global Beauty and Confidence Report), os dados sobre a autoestima das mulheres são alarmantes: 9 em cada 10 mulheres deixam de ir a compromissos, encontros e programas com os amigos por não se sentirem bem com a própria aparência, ou param de comer por não gostarem dos seus corpos, colocando assim, a saúde em risco.

Esses dados indicam que a busca pela perfeição é uma das principais causas da baixa autoestima. Por muitas vezes, o perfeccionismo é tido como uma qualidade de pessoas persistentes em entregar os melhores resultados possíveis. No entanto, é preciso combater essa percepção urgentemente.

A busca pela perfeição é um verdadeiro sabotador das características positivas que temos, já que é capaz de esconder os nossos talentos. Sendo assim, a nossa primeira dica é: abra mão de tentar ser perfeita em tudo! Errar é necessário para o nosso processo de aprendizagem e aprimoramento das nossas capacidades.

2. Evite Fazer Comparações

O ato de nos comparar com outras pessoas pode ser considerado um comportamento autodestrutivo que afeta negativamente nossa autoconfiança. Nos âmbitos pessoais e profissionais é muito comum a competição e comparação entre as mulheres. Contudo, trata-se de uma falácia, pois todos os seres humanos são diferentes, com características, modo de pensar e agir distintos.

As redes sociais, quando não usadas adequadamente, se transformam em uma vitrine de comparações. Exemplos disso são: “Fulana está na praia em plena segunda e eu estou trabalhando”, isso pode gerar o sentimento de que “não sou tão bem-sucedida quanto fulana”. “Maria tem a vida e o relacionamento perfeito!”, no entanto, você não vê as dificuldades da vida real pelas fotos.

Esses e outros tipos de comparações somente trazem ciúmes, raiva, inveja e diminuição das suas conquistas. Então, a nossa outra dica é se policiar para não medir sua vida com a de ninguém. Respeite o seu próprio tempo.

3. Descubra a sua essênciaDescubra a sua essência

Outro fator importante que influencia é o conhecer a si mesma e descobrir a sua própria essência. Sendo assim, em vez de perder tempo se comparando, dedique um tempo para conhecer quem você é de verdade.

Pense e determine quais são os seus reais valores, seus sonhos de vida, seus desejos pessoais, dons, talentos e capacidades. Todos nós somos bons em algo, o exercício deve ser descobrir em quê.

Busque focar em suas características positivas e verá como essa atitude a fará sentir-se melhor consigo. Já em relação aos aspectos que não gosta, tente aprimorá-los na medida do possível, mas de modo algum os torne uma verdade absoluta.

4. Seja autoconfiante

“É preciso ter autoconfiança”. Essa parece ser só mais uma afirmação clichê de livros de autoajuda, né? Contudo, não há verdade mais categórica. Quando não confiamos em nós mesmas, criamos algumas barreiras emocionais que prejudicam o relacionamento com outras pessoas, a fluidez de um bom papo numa roda entre amigos e, até mesmo a criação de relações duradouras.

Ter autoconfiança é conhecer a si profundamente e, a partir disso, começar a lidar melhor com o seu eu. Aqui vão algumas dicas valiosas para começar a desenvolver a sua autoconfiança:

  • aprenda a dizer não;
  • cuide de si mesma;
  • entenda que não é possível agradar a todos;
  • não deixe que o medo te impeça de fazer algo;
  • não se diminua para agradar alguém;

É importante ressaltar que a autoestima e a autoconfiança são valores que atribuímos ao nosso eu, mas que não tem ligação com o nosso estado físico e monetário. Afinal, se fossem essas as razões para uma baixa nesses sentimentos, as celebridades com “corpos perfeitos” e empresárias bem-sucedidas financeiramente não teriam problemas.

5. Não seja imediatista

Não queira mudar a sua vida de um dia para o outro. Alterações no comportamento ou qualquer outro tipo de mudança requer um tempo de transformação e adaptação.

Decidiu entrar na academia para melhorar a sua forma física? Ótimo! Mas não espere resultados consideráveis em somente uma semana de treinos. Quer trabalhar a sua autoconfiança? Maravilha! No entanto, esteja ciente de que não é do dia para a noite que será a pessoa mais segura do mundo.

O imediatismo é um caminho certeiro para a frustração. Quando você não percebe resultados em pouco tempo, ou até mesmo de um dia para o outro, é comum sentir que não é capaz ou desenvolver preguiça só de pensar no esforço que fará e no período de adaptação. Então, a nossa dica aqui é: dê tempo ao tempo, se policie constantemente para criar hábitos e jamais espere grandes mudanças num curto período.

Não há uma fórmula pronta e rápida para garantir a autoestima. Portanto, aplique essas dicas diariamente, administrando seus pensamentos e atitudes e verá como você se tornará uma mulher mais segura de si.

Está praticando algum outro hábito que deu certo pra você? Compartilhe conosco aqui nos comentários e vamos incentivar outras mulheres a se amarem!

 

Share This